parallax background
Doenças Capilares

Alopecia Frontal Fibrosante (AFF)

parallax background
Doenças Capilares

Alopecia Frontal Fibrosante (AFF)

A Alopecia Frontal Fibrosante (AFF) foi inicialmente descrita em 1994 por Kossard como alopecia frontal fibrosante pós-menopausa e sua incidência vem aumentando em todo o mundo.
A característica fundamental da AFF é a rarefação capilar progressiva, por um a 10 anos, região frontotemporal (acima da testa) em pacientes do sexo feminino, especialmente após a menopausa, e leva a perda dos cabelos da borda anterior do couro cabeludo e das sobrancelhas. A faixa de perda de cabelo na frente e nas laterais do couro cabeludo é geralmente simétrica e lentamente progressiva (piorando com o tempo). A pele na área afetada geralmente parece normal, mas pode estar pálida, brilhante ou ligeiramente cicatrizada. A incidência desta doença vem aumentando em todo o mundo.

CAUSAS
A causa exata da alopecia por fibrose frontal (AFF) é desconhecida. Pensa-se que é uma condição autoimune na qual o sistema imunológico de uma pessoa afetada ataca por engano os folículos capilares (estruturas na pele que produzem cabelos). Os cientistas também suspeitam que possa haver um componente hormonal, já que a condição afeta mais comumente mulheres na pós-menopausa com mais de 50 anos

É caracterizada principalmente por queda de cabelo (alopecia) e cicatrizes no couro cabeludo perto da testa. A faixa de perda de cabelo na frente e nas laterais do couro cabeludo é geralmente simétrica e lentamente progressiva (piorando com o tempo). Aproximadamente metade de todas as pessoas afetadas também sofrem perda de sobrancelhas. Menos comumente, os cílios também podem estar envolvidos. Algumas pessoas com AFF desenvolvem perda de cabelo em outras áreas que não o couro cabeludo e o rosto.
TRATAMENTO
O ideal é descobrir a doença nos estágios iniciais. O tratamento, cujo objetivo consiste em impedir que a calvície continue avançando, já que não há como recuperar os fios caídos, depende dos sintomas e do grau de acometimento, sendo instituído uso de anti-inflamatórios como doxiciclina e cloroquina, infiltração corticoide e cremes para alivio sintomático.

O importante é, ao notar uma perda acentuada de cabelo, conversar com o dermatologista quanto antes.
A Alopecia Frontal Fibrosante (AFF) foi inicialmente descrita em 1994 por Kossard como alopecia frontal fibrosante pós-menopausa e sua incidência vem aumentando em todo o mundo.
A característica fundamental da AFF é a rarefação capilar progressiva, por um a 10 anos, região frontotemporal (acima da testa) em pacientes do sexo feminino, especialmente após a menopausa, e leva a perda dos cabelos da borda anterior do couro cabeludo e das sobrancelhas. A faixa de perda de cabelo na frente e nas laterais do couro cabeludo é geralmente simétrica e lentamente progressiva (piorando com o tempo). A pele na área afetada geralmente parece normal, mas pode estar pálida, brilhante ou ligeiramente cicatrizada. A incidência desta doença vem aumentando em todo o mundo.

CAUSAS
A causa exata da alopecia por fibrose frontal (AFF) é desconhecida. Pensa-se que é uma condição autoimune na qual o sistema imunológico de uma pessoa afetada ataca por engano os folículos capilares (estruturas na pele que produzem cabelos). Os cientistas também suspeitam que possa haver um componente hormonal, já que a condição afeta mais comumente mulheres na pós-menopausa com mais de 50 anos

É caracterizada principalmente por queda de cabelo (alopecia) e cicatrizes no couro cabeludo perto da testa. A faixa de perda de cabelo na frente e nas laterais do couro cabeludo é geralmente simétrica e lentamente progressiva (piorando com o tempo). Aproximadamente metade de todas as pessoas afetadas também sofrem perda de sobrancelhas. Menos comumente, os cílios também podem estar envolvidos. Algumas pessoas com AFF desenvolvem perda de cabelo em outras áreas que não o couro cabeludo e o rosto.
TRATAMENTO
O ideal é descobrir a doença nos estágios iniciais. O tratamento, cujo objetivo consiste em impedir que a calvície continue avançando, já que não há como recuperar os fios caídos, depende dos sintomas e do grau de acometimento, sendo instituído uso de anti-inflamatórios como doxiciclina e cloroquina, infiltração corticoide e cremes para alivio sintomático.

O importante é, ao notar uma perda acentuada de cabelo, conversar com o dermatologista quanto antes.

Entre em Contato

Preencha o formulário e agende uma avaliação!

Nome*:

E-mail*:
Telefone*:

Faixa etária:

Melhor horário para retornar a ligação:

Mensagem:

* campos obrigatórios

Onde estamos?

Av. Afonso Pena, 4496, Sala 101
Campo Grande / MS




Conheça nossa clínica

Entre em Contato


Preencha o formulário e agende uma avaliação!

Nome*:

E-mail*:

Telefone*:

Faixa etária:

Melhor horário para retornar a ligação:

Mensagem:

* campos obrigatórios

Onde estamos?

Av. Afonso Pena, 4496, Sala 101
Campo Grande / MS




Conheça nossa clínica